IMPRENSA
11 de outubro de 2018 - 09h19

A- A A+

Brasil pode crescer até 3 por cento em 2019 se o novo governo fizer o ajuste fiscal, alerta CNI

Indústria reduz as previsões para o desempenho da economia e da indústria em 2018. Mas destaca que o país pode sair da crise se promover as reformas necessárias para controlar as despesas e a expansão da dívida pública


O ajuste das contas públicas é o principal desafio do novo governo. O alerta é da Confederação Nacional da Indústria (CNI). “É inexorável um ajuste que reponha a trajetória das contas públicas na linha da responsabilidade fiscal”, diz o Informe Conjuntural do terceiro trimestre, divulgado nesta quinta-feira, pela CNI. O estudo destaca o desequilíbrio das contas públicas. Neste ano, a CNI estima que a dívida pública subirá ainda mais e alcançará 77,1% do Produto Interno Bruto (PIB). O déficit primário, mesmo com as sucessivas quedas registradas até agosto, fechará o ano em 1,9% do PIB, mostrando que as despesas do governo são superiores às receitas.

“Em 2018, completaremos o quinto ano seguido de déficits primários expressivos, o que levou ao aumento de 25 pontos percentuais na relação da dívida pública/PIB. Esse quadro precisa ser revertido”, adverte o estudo. O Informe Conjuntural lembra que as incertezas em relação ao resultado das eleições e ao programa econômico do novo governo reduziram ainda mais o fraco ritmo de crescimento da economia e da indústria no terceiro trimestre.

Com isso, a CNI revisou para baixo as estimativas para o PIB do país e do setor industrial. A previsão agora é de que a economia brasileira crescerá 1,3%, menos do que os 1,6% estimados em junho. O PIB industrial também terá expansão de 1,3%, inferior os 1,8% previstos em junho. O consumo das famílias aumentará 1,9% e a taxa de desemprego continuará alta e fechará o ano com média anual de 12,2% da população economicamente ativa.

As novas previsões indicam que os investimentos aumentarão apenas 2,2%. “É imprescindível um esforço de ajuste efetivo e crível, capaz de recompor as expectativas e a confiança dos agentes, passo fundamental para a reativação dos investimentos e, consequentemente, aceleração da recuperação econômica”, recomenda da CNI.

LIMITE PARA OS GASTOS - Na avaliação da indústria, o próximo governo deve manter a Emenda Constitucional 95, que estabelece limites para o crescimento do gasto público. A CNI lembra ainda que o cumprimento dos limites dos gastos depende de reformas que já estão em tramitação no Congresso Nacional. “É, portanto, possível avançar nessas discussões com sucesso, aprovando a reforma da Previdência e os projetos que tratam da remuneração dos servidores públicos. Ambos são cruciais para reduzir o ritmo de expansão das despesas primárias”, destaca o Informe Conjuntural.

Para a CNI, se o novo governo fizer as reformas necessárias a um ajuste fiscal de longo prazo que elimine o déficit e reverta a trajetória de crescimento da dívida pública, o Brasil poderá superar a crise e crescer até 3% no próximo ano.  “O novo ambiente de crescimento permitirá ações mais ousadas na agenda da competitividade – como uma reforma na tributação sobre o consumo e da renda das pessoas jurídicas – que potencializarão o ritmo do novo ciclo de crescimento”, afirma o estudo.

Conheça as previsões da CNI para este ano





Mais notícias

75 por cento dos brasileiros dizem que governo Bolsonaro está no caminho certo, informa pesquisa da CNI

Economia brasileira crescerá 2,7 por cento e indústria terá expansão de 3 por cento em 2019, prevê CNI

Elevadas tarifas em portos e aeroportos são o problema mais crítico para os exportadores

Confiança do consumidor é a maior desde janeiro de 2014