IMPRENSA
10 de janeiro de 2019 - 09h40

A- A A+

Medo do desemprego registra a maior queda desde maio de 1996, informa a CNI

Pesquisa destaca que a retração de 10,7 pontos verificada entre setembro e dezembro é resultado do aumento do otimismo em relação ao novo governo e aos sinais de superação da crise. Satisfação com a vida também melhorou


O Índice do Medo do Desemprego caiu para 55 pontos em dezembro de 2018 e ficou 10,7 pontos abaixo do registrado em setembro do ano passado. A queda de 10,7 pontos entre setembro e dezembro é a maior desde maio de 1996, quando começou a série histórica, informa a pesquisa trimestral Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida, divulgada nesta quinta-feira, 10 de janeiro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“O resultado positivo reflete o otimismo e a confiança que a maioria da população deposita no novo governo e também a percepção crescente de superação da crise econômica”, avalia a CNI. Mesmo assim, o indicador continua acima da média histórica, que é de 49,8 pontos.

“O otimismo aumentou, mas não podemos esquecer que a retomada da economia se mostra muito lenta e o desemprego continua elevado”, afirma o gerente-executivo de Pesquisas da CNI, Renato da Fonseca.  Ele explica que a queda do medo do desemprego ajudará a incrementar o consumo e, consequentemente, a produção.

De acordo com a pesquisa, entre setembro e dezembro do ano passado, o medo do desemprego recuou em todas regiões do país. No entanto, a queda foi maior no Sul, onde o indicador caiu 16,9 pontos e passou de 62,7 pontos em setembro para 45,8 pontos em dezembro. A menor queda, de 8,3 pontos, foi registrada no Sudeste. Naquela região, o medo do desemprego diminuiu de 64 pontos em setembro para 55,8 pontos em dezembro.

SATISFAÇÃO COM A VIDA - A pesquisa da CNI mostra ainda que a satisfação com a vida também melhorou. O indicador aumentou 2,7 pontos em relação a setembro e ficou em 68,6 pontos em dezembro.  O crescimento de 2,7 pontos foi o maior desde maio de 1999.

A satisfação com a vida aumentou, sobretudo, na região Sul, onde o indicador subiu 3,6 pontos e passou de 66,2 pontos em setembro para 69,8 pontos em dezembro. No Nordeste, a alta foi de 3 pontos e o indicador alcançou 69 pontos no mês passado.

Esta edição da pesquisa ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios entre 29 de novembro e 2 de dezembro do ano passado.



Mais notícias

Custos da indústria caem 1 por cento no primeiro trimestre, informa a CNI

Conheça os vencedores do Prêmio Nacional de Inovação

Indústria só sairá da recessão com reformas estruturais, avalia CNI

SENAI avalia maturidade de empresas em Indústria 4.0 para indicar caminho de atualização tecnológica