IMPRENSA
01 de outubro de 2019 - 09h46

A- A A+

Faturamento e horas trabalhadas na indústria crescem 0,6%, informa CNI

Indicadores Industriais mostram que, mesmo com desempenho positivo, a atividade no setor continua fraca. Emprego ficou estável e massa real de salários e rendimento médio do trabalhador diminuíram em agosto


A atividade da indústria brasileira melhorou em agosto. O faturamento do setor aumentou 0,6% em relação a julho na série livre de influências sazonais. Foi o terceiro aumento consecutivo do índice. As horas trabalhadas na produção também cresceram 0,6% em agosto frente a julho na série de dados dessazonalizados. A utilização da capacidade instalada cresceu 0,1 ponto percentual e alcançou 78,1%, informa a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta terça-feira, 1º de outubro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mesmo com o desempenho positivo de agosto, os índices de atividade estão próximos aos de 2018, ano que foi fraco para a indústria, observa a CNI. “Os índices de faturamento, horas trabalhadas e utilização da capacidade instalada seguem inferiores aos registrados em agosto do ano passado”, afirma a pesquisa. Na comparação com agosto do ano passado, o faturamento teve queda de 5,7%, as horas trabalhadas na produção recuaram 1,3%. A utilização da capacidade instalada ficou 0,2 ponto percentual menor do que a do mesmo mês do ano passado.

Os indicadores de mercado de trabalho também são negativos. Em agosto, o emprego aumentou apenas 0,1%, a massa real de salários diminuiu 0,7% e o rendimento médio real dos trabalhadores recuou 0,4% na comparação com julho, considerando as séries com ajuste sazonal. Em relação a agosto do ano passado, o emprego teve queda de 0,2%, a massa real de salários encolheu 1,2% e o rendimento médio do trabalhador caiu 0,9%.

“A expectativa é que o ritmo atual de recuperação se mantenha nos próximos meses. Não há, contudo, perspectiva de aceleração desse movimento, de forma que o resultado da indústria para 2019 dificilmente irá se descolar muito do de 2018. A indústria ainda tem estoques em excesso e não há expectativa que a demanda se acelere muito até o fim do ano, limitando o ritmo de atividade do setor”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.

 



Mais notícias

Inscrições abertas para o torneio SESI de Robótica FTC

Indústria registra melhora do consumo e mantém ritmo lento de recuperação, mostra pesquisa da CNI

Membros do Conselho Nacional do SESI visitam unidades de Rondônia

Confiança do empresário está 5,6 pontos acima do registrado em outubro de 2018, informa pesquisa da CNI