IMPRENSA
07 de abril de 2020 - 14h52

A- A A+

Edital de Inovação para a Indústria seleciona mais nove projetos de combate ao novo coronavírus

Soluções que propõem aumento de testes rápidos e uso de inteligência artificial, entre outras, vão receber R$ 9 milhões. SENAI, Embrapii e ABDI investirão R$ 30 milhões para prevenir, diagnosticar e tratar efeitos do Covid-19


O Edital de Inovação para a Indústria selecionou mais nove projetos de combate ao novo coronavírus, que vão receber R$ 9 milhões para serem desenvolvidos e devem surtir efeitos em até 40 dias. Na lista de aprovados estão propostas de uso de inteligência artificial para controlar a propagação da doença; fabricação de um monitor de fácil manuseio para diagnóstico rápido de pacientes com deficiência pulmonar; produção de testes rápidos de detecção do vírus; desenvolvimento de um sistema de desinfecção para transportes públicos, entre outras.


A categoria Missão Covid-19, criada para a seleção de projetos destinados a prevenir, diagnosticar e tratar os efeitos do Covid-19, investirá R$ 30 milhões aportados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial(Embrapii) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).


Na primeira chamada, foram selecionados seis projetos para receber R$ 10 milhões investidos pelo SENAI e pelo Serviço Social da Indústria(SESI). Nessa chamada, foram aprovadas, entre outras soluções, a adaptação de respiradores mecânicos veterinários para uso em humanos, como forma de ampliar o número de ventiladores pulmonares no sistema de saúde brasileiro. Ainda restam R$ 11 milhões a serem investidos.


“Esperamos que os projetos selecionados contribuam para diminuir o impacto do contágio do coronavírus no país e prover ao sistema de saúde recursos para aumentar nossa capacidade de atender e tratar os pacientes com agilidade e qualidade”, afirma o presidente da ABDI, Igor Calvet.


“As soluções selecionadas ajudam a combater o coronavírus de forma inovadora, em uma demonstração de que o ecossistema brasileiro de inovação é capaz de dar respostas fundamentais ao país”, afirma o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi. “A rede de inovação e de tecnologia do SENAI vai dar todo o apoio para que as iniciativas produzam seus efeitos benéficos o mais rapidamente possível”, completa.


“O avanço rápido da covid-19 pelo mundo nos alerta sobre a necessidade de unir esforços na luta contra a pandemia. O Edital com a ABDI e o SENAI é mais um exemplo da atuação em parceria que trará importantes resultados”, afirma o diretor de Planejamento e Gestão da Embrapii, José Luis Gordon. “Investir em inovação e tornar viável o desenvolvimento de tecnologias de diagnóstico, prevenção e tratamento da covid-19 no país são prioridade para Embrapii neste momento. Nossas Unidades Embrapii têm equipes preparadas e equipamentos de ponta para atuar no enfrentamento”, diz ele.


As seguintes propostas serão implementadas com apoio dos 27 Institutos SENAI de Inovação e 60 Institutos SENAI de Tecnologia:



Entre os projetos selecionados está proposta apresentada pela MDI Indústria e Comércio de Equipamentos de desenvolver um monitor de capnografia autônomo de fácil manuseio e portabilidade para acompanhamento e diagnóstico rápido de pacientes com deficiência pulmonar. Os capnógrafos analisam e registram a pressão de gás carbônico expirado pelo paciente, o que pode ajudar os médicos na correta aferição da função pulmonar, podendo liberar leitos mais cedo ou identificar pacientes que necessitem de apoio ventilatório urgente. O equipamento deverá ser portátil e adaptável para diferentes ambientes, o que deve ajudar durante o período de superlotação previsto nos hospitais.


Outro projeto aprovado, da Repsol, pretende criar um ambiente de supercomputação e inteligência artificial para dar apoio ao desenvolvimento e operação de soluções nas áreas de ciências biológicas, exames de imagem e predição de comportamento da pandemia. Uma das ideias é permitir acesso à infraestrutura computacional e software de análise de sequências genéticas do centro de supercomputação e inovação industrial do SENAI-Cimatec, localizado em Salvador, para pesquisadores engajados em soluções contra a covid-19. O projeto também vai desenvolver uma ferramenta computacional de apoio ao diagnóstico de exames de imagem para identificação do vírus, entre outras iniciativas.


A proposta selecionada da Sii Indústria e Tecnologia, por sua vez, tem como objetivo oferecer um sistema de desinfecção para meios de transporte públicos, garantindo a saúde de seus usuários. Será desenvolvido sistema móvel com tecnologia de ultravioleta do tipo C (UV-C) para esterilização durante limpeza dos meios de transporte.


ESCALA INDUSTRIAL – A empresa JGB equipamentos de segurança foi escolhida com proposta de produção de máscaras cirúrgicas, máscaras PFF2(S), aventais cirúrgicos, campos cirúrgicos e tocas e sapatilhas descartáveis em escala industrial de forma mais rápida e mais barata. O objetivo é ter mais eficiência, atendendo às respectivas normas desses produtos, a fim de suprir a demanda apresentada.


A empresa Diklatex Industrial Têxtil, também selecionada, propôs produzir lotes pilotos de itens hospitalares têxteis com funcionalização antiviral, com possibilidade de reuso. A cadeia consiste na participação de empresa química, que fornecerá os ativos antivirais, na Diklatex, que fará a aplicação desses ativos nos têxteis desenvolvidos para aplicação hospitalar.


Na proposta da Cerdia Brasil Indústria e Comércio, os objetivos são produzir 300 filtros do tipo HEPA em caráter emergencial em um prazo de 40 dias, para atender os ventiladores mecânicos que estão aguardando a importação e aqueles que vão ter a validade vencida na América Latina em 40 dias; produzir 200 filtros do tipo para HEPA em até três meses de forma a permitir um estoque de emergência para adicionais 40 dias, até que o fornecimento seja reestabelecido, assim como nacionalizar a produção do filtro do tipo HEPA.


Outra empresa escolhida, a Rio Paraná Energia, vai desenvolver e implementar, nacionalmente, duas alternativas de testes sorológicos – um teste sorológico rápido e outro teste sorológico baseado em ELISA – para a detecção do novo coronavírus. O projeto tem como parceiros a AdvaGen Biotech e a Fundação Oswaldo Cruz.


O projeto selecionado da empresa Adecoagro Vale do Ivinhema pretende criar, com apoio da rede SENAI de Apoio à Produção de Álcool Gel 70%, uma rede de apoio técnico-científico e financeiro à produção de álcool em gel no Brasil, tendo entre os objetivos aumentar a capacidade de produção de álcool em gel 70% no país; apoiar a produção descentralizada, promovendo uma maior eficiência no abastecimento das regiões acometidas pela covid-19; e desenvolver e avaliar o maior número possível de formulações alternativas durante os primeiros 30 dias de projeto.


A proposta aprovada da Scienco Biotech prevê o desenvolvimento de novas moléculas para a detecção do vírus e desenvolvimento de uma formulação/dispositivo sinalizador, para detecção de SARS-CoV2 em superfícies, pacientes e/ou aerossóis, contribuindo para o combate da disseminação desse vírus em âmbito nacional.


SENAI atua em quatro frentes


O SENAI pôs sua infraestrutura a serviço do combate à pandemia de coronavírus em quatro frentes: 1) detecção e diagnóstico, por meio do apoio à maior produção de testes para detecção do vírus; 2) prevenção, com ajuda à fabricação de equipamentos de proteção individual (EPI); 3) tratamento de doentes, ao trabalhar na manutenção de respiradores mecânicos parados e; 4) apoiar a fabricação e desenvolvimento de novos equipamentos.


Os Institutos do SENAI possuem pesquisadores qualificados, equipamentos e infraestrutura de vanguarda para desenvolvimento de produtos e processos inovadores, assim como para a oferta de serviços de consultoria e metrologia. Desde que a rede de 27 Institutos SENAI de Inovação foi criada, em 2013, mais de R$ 1 bilhão foram aplicados em 1.086 projetos concluídos ou em execução. A estrutura conta com mais de 700 pesquisadores, sendo que cerca de 44% possuem mestrado ou doutorado. Atualmente, 12 centros são unidades Embrapii, e têm verba diferenciada para financiamento de projetos estratégicos de pesquisa e inovação. A rede de 60 Institutos SENAI de Tecnologia, que começou a ser implantada nos anos 1990, possui corpo técnico de cerca de 1.200 especialistas e consultores que prestam serviços buscando melhorar a qualidade de produtos e serviços, a produtividade e a competitividade dos negócios


Mais notícias

SENAI-RO reconhecido por atuar na rede +Manutenção

Edital de boas práticas SENAI Lab abre inscrições

Edição Nacional do Grand Prix SENAI de Inovação está com inscrições abertas

Seis projetos de RO são classificados para avaliação nacional do Programa Inova SENAI