IMPRENSA
29 de junho de 2020 - 10h41

A- A A+

Institutos SENAI de Inovação desenvolvem nova matéria-prima para aumentar a produção de álcool-gel no Brasil

Uma das formulações, que substitui insumo importado, foi desenvolvida em parceria com as indústrias Klabin e Apoteka.

Espessante extraído da madeira gerou pedido de patente por ser inovação mundial


Pesquisa da rede de Institutos SENAI de Inovação vai ajudar o Brasil a elevar a produção de álcool-gel 70%, antisséptico usado na prevenção à covid-19. Pesquisadores dos institutos de Biomassa, localizado em Três Lagoas (MS); de Biossintéticos e Fibras, no Rio de Janeiro; e de Engenharia de Polímeros, em São Leopoldo (RS), desenvolveram insumos substitutos ao carbopol, espessante mais comum na formulação do produto. A matéria-prima importada, além de escassa no país, está com preços elevados devido à alta demanda.


A rede do SENAI propôs novas formulações com diferentes espessantes, em especial os de origem celulósica, como hidroxietilcelulose (HEC) e hidroxipropilmetilcelulose (HPMC). Há também possibilidade de uso de insumos de origem natural, como argilas e gomas. Até agora cinco tipos de formulações já foram desenvolvidas e testadas com sucesso. Outras matérias-primas sintéticas alternativas estão em análise, como copolímeros acrílicos e poliacrilamidas.


“A crise da saúde pública causada pela covid-19 tornou indiscutível a relevância de ciência, tecnologia e inovação nas respostas que a sociedade brasileira precisa neste momento”, avalia o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi. “A rede de 27 Institutos SENAI de Inovação, que é a maior infraestrutura de apoio à capacidade inovativa da indústria brasileira, tem dado a sua contribuição, ao apresentar soluções que ajudam o país a enfrentar esse grave problema”.


PATENTE – Uma das formulações foi desenvolvida em parceria com pesquisadores do Centro de Tecnologia da Klabin e da indústria de cosméticos Apoteka. O espessante alternativo é feito a partir da celulose microfibrilada (MFC), extraído da madeira. O primeiro volume, de 60 quilos, já está em fase de testes e adaptações para que possa ser utilizado. O produto está em processo de validação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas já possui laudos técnicos que garantem a sua ação antibactericida. Além disso, a MFC utilizada é uma nanocelulose que garante hidratação para a pele, evitando o ressecamento pelo uso contínuo do produto. Após as aprovações, a expectativa é que o produto entre rapidamente em produção para atender às demandas de mercado.


“Buscamos soluções que tenham custo relativamente barato e seguras para uso tópico. Validamos também formulações alternativas, que disponibilizamos a potenciais produtores do país, o que vai permitir a produção em diferentes regiões, usando matérias-primas locais”, explica o diretor do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, Paulo Coutinho. “O projeto em parceria com a Klabin e a empresa Apoteka, por exemplo, gerou um pedido de patente, porque é sinônimo de inovação totalmente ‘made in Brasil’”, relata.


Ex-alunos do curso de Engenharia Química da Faculdade SENAI CETIQT também participaram do grupo de pesquisa. “Temos de unir forças para atender a demanda de álcool-gel do setor de saúde e da população em geral. Fico feliz em fazer parte da rede de inovação que está buscando desenvolver estratégias para testar formulações alternativas para o produto. A minha trajetória acadêmica foi de grande importância para adquirir conhecimentos, com foco nas demandas reais do mercado”, conta Brenda Monteiro, ex-aluna do curso, que atua como analista no Instituto de Inovação, realizando estudos de inteligência competitiva.


FORNECEDORES – Além de avaliar as formulações em escala laboratorial, os pesquisadores fazem a validação e escalonamento em 300 litros, assim como testes microbiológicos. Os estudos envolvem ainda a prospecção de fornecedores nacionais de potenciais matérias-primas. Selecionado pelo Edital de Inovação para a Indústria, na categoria Missão contra a covid-19, o projeto possui como empresa parceira a Adecoagro Vale do Ivinhema S.A., de Ivinhema (MS), que produz álcool etílico, componente essencial nas formulações de álcool em gel 70%.


No final do projeto, que ainda está em desenvolvimento, serão disponibilizadas fichas técnicas de todas as formulações testadas e validadas para produção. Entre as orientações estarão especificações de equipamentos, acessórios, boas práticas de fabricação, segurança de produção e manuseio das matérias-primas e produtos finais.


Estarão disponíveis também notas técnicas e de esclarecimento da Anvisa e demais órgãos reguladores para dar o máximo de apoio aos fabricantes nacionais.


Os 27 Institutos SENAI de Inovação, distribuídos pelo país, possuem pesquisadores qualificados, equipamentos e infraestrutura de vanguarda para desenvolvimento de produtos e processos inovadores. Desde que a rede foi criada, em 2013, mais de R$ 1 bilhão foram aplicados em 1.086 projetos concluídos ou em execução. A estrutura conta com mais de 700 pesquisadores, sendo que cerca de 44% possuem mestrado ou doutorado. Atualmente, 15 centros são unidades Embrapii, e têm verba diferenciada para financiamento de projetos estratégicos de pesquisa e inovação.


O SENAI pôs sua infraestrutura a serviço do combate à pandemia de coronavírus em quatro frentes: 1) detecção e diagnóstico, por meio do apoio à maior produção de testes para detecção do vírus; 2) prevenção, com ajuda à fabricação de equipamentos de proteção individual (EPI); 3) tratamento de doentes, ao trabalhar na manutenção de respiradores mecânicos parados e 4) apoio à fabricação e desenvolvimento de novos equipamentos.


Mais notícias

SENAI RO, entre os vencedores pelo terceiro ano consecutivo do Edital Nacional “SENAI Lab Nível II”

SENAI abre edital de credenciamento para empresas rondonienses

SENAI ajuda a nacionalizar produção de ventiladores pulmonares

SENAI, Bio-Manguinhos e Diklatex desenvolvem tecido que neutraliza o coronavírus