IMPRENSA
08 de janeiro de 2020 - 09h44

A- A A+

Medo do desemprego diminui 2,1 pontos, mostra pesquisa da CNI

Levantamento aponta que, mesmo com a queda verificada em dezembro, o indicador está acima da média histórica. Índice de Satisfação com a Vida recua 0,7 ponto

 

O Índice de Medo do Desemprego caiu 2,1 pontos em relação a setembro e alcançou 56,1 pontos em dezembro de 2019. Mesmo assim, o indicador continua 6 pontos acima da média histórica, que é de 50,1 pontos, informa a pesquisa divulgada nesta quarta-feira (8), pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI). O índice varia de zero a cem pontos. Quanto menor o indicador, menor é o medo do desemprego.

A CNI observa que, com a queda registrada no fim do ano passado, o índice ficou 1,1 ponto acima dos 55 pontos registrados em dezembro de 2018, quando os brasileiros estavam otimistas com o resultado das eleições presidenciais. Entretanto, com a frustração das expectativas em relação ao desempenho da economia, o medo do desemprego aumentou 4,3 pontos no primeiro semestre de 2019. Mas com a melhora das perspectivas, o indicador se recuperou no segundo semestre e acumulou uma alta de 3,2 pontos até o fim do ano.

“A perspectiva de recuperação da economia se consolidou a partir do segundo semestre. Os índices de crescimento econômico começam a reagir e o mercado de trabalho também começou a apresentar melhora. Tudo isso aumentou a esperança da população em recuperar o emprego perdido e até de trocar de emprego”, afirma a economista da CNI Maria Carolina Marques.

De acordo com a pesquisa, o medo do desemprego permanece mais elevado entre os brasileiros com renda familiar de até um salário mínimo. Nessa faixa de renda, o indicador subiu 0,9 ponto em relação a setembro e atingiu 69,7 pontos em dezembro, muito acima dos 37,4 pontos verificados entre as pessoas que recebem mais de cinco salários mínimos.

O medo do desemprego também é maior entre as mulheres. Embora o medo do desemprego seja, tradicionalmente, maior entre elas, a diferença em relação aos homens alcançou, em dezembro, o maior patamar desde março de 2005. Isso ocorreu porque, entre as mulheres, o índice aumentou 0,6 ponto frente a setembro e passou para 63,2 pontos em dezembro. Entre eles, o indicador caiu 5 pontos e recuou para 48,5 pontos, mostra a pesquisa, que ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios entre os dias 29 de novembro e 2 de dezembro de 2019.

SATISFAÇÃO COM A VIDA

O levantamento mostra ainda que a satisfação com a vida diminuiu em dezembro. O índice caiu 0,7 ponto em relação a setembro e ficou em 68,3 pontos no mês passado. “O índice permanece em patamar superior ao observado no auge da crise, mas se encontra abaixo da média histórica, que é de 69,6 pontos”, afirma a CNI. 

A satisfação com a vida é maior entre os brasileiros com maior nível de instrução e maior renda familiar. Entre os com educação superior, o indicador alcançou 70,5 pontos, muito acima dos 65,3 pontos registrados entre aqueles que têm até a quarta série do ensino fundamental. Entre os que renda familiar superior a cinco salários mínimos, o índice ficou em 73,1 pontos em dezembro, 8,6 pontos acima dos 64,5 pontos registrados entre os que tem renda familiar de até um salário mínimo.


Mais notícias

Diretoria da FIERO faz visita técnica às unidades do interior

Escolas da rede SESI se preparam para retorno das aulas presenciais

SENAI RO, entre os vencedores pelo terceiro ano consecutivo do Edital Nacional “SENAI Lab Nível II”

SESI apresenta solução inovadora de SST para micro e pequenas empresas