IMPRENSA
08 de setembro de 2020 - 13h54

A- A A+

Atividade industrial se aproxima do nível pré-pandemia

Depois de três meses de recuperação, o faturamento acumulou alta de 34,5%. As horas trabalhadas e a utilização da capacidade instalada também aumentaram pelo terceiro mês consecutivo

 

A atividade industrial continuou em trajetória de recuperação em julho. Com o novo aumento, os índices de faturamento, horas trabalhadas na produção e utilização da capacidade instalada (UCI) reverteram a maior parte da queda acumulada em março e abril, meses mais críticos da crise, e estão próximos do patamar pré-pandemia. Os dados são dos IndicadoresIndustriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI).


O estudo revela que o faturamento real, na série dessazonalizada, aumentou 7,4% em julho, acumulando alta de 34,5% nos últimos três meses. O índice está 1,7% menor que o registrado em fevereiro de 2020, antes da pandemia do novo coronavírus e no acumulado de 2020 até julho apresenta queda de 5% na comparação com o mesmo período de 2019.


As horas trabalhadas na produção aumentaram 4,5% em julho, na série dessazonalizada. O acumulado de 20,9% na alta das horas trabalhadas nos últimos três meses reverte a maior parte da queda de 23% observada em março e abril. O índice encontra-se 7% abaixo do registrado em fevereiro. No acumulado do ano a queda é de 9% em relação a igual período de 2019.


Utilização da capacidade instalada chegou a 75,4%, em julho


Movimento semelhante é observado na UCI, que aumentou 2,9 pontos percentuais em julho, chegando a 75,4%, considerando a série livre de efeitos sazonais. O percentual é 3,4 pontos percentuais inferior ao registrado no pré-pandemia, em fevereiro e, na média de 2020 até julho, a UCI é 3,6 pontos percentuais inferior ao mesmo período de 2019.


Já o emprego industrial segue sem reação. Em julho, o indicador ficou próximo da estabilidade, ao registrar queda de apenas 0,2%. A massa salarial e o rendimento médio, por sua vez, caíram na comparação com junho. Em relação a fevereiro, o emprego industrial acumula queda de 3,5% e a massa salarial, de 6,8%.


O rendimento real pago aos trabalhadores da indústria caiu 2,4% em julho, considerando a série dessazonalizada. O resultado reverte parcialmente o crescimento do mês anterior, fruto do fim de parte dos acordos de suspensão e/ou redução de jornada de trabalho e salário. No acumulado do ano de 2020 até julho, o rendimento médio real é 3,6% inferior em relação ao mesmo período de 2019.


Mais notícias

Bioeconomia é uma das agendas prioritárias da biodiversidade brasileira, diz Marcelo Thomé

Mais da metade da indústria está com dificuldade para atender sua demanda, afirma CNI

Indústria pode ser protagonista da bioeconomia no Brasil, diz presidente da CNI

Pavimentação asfáltica garante qualidade e segurança à comunidade escolar do SESI-SENAI-IEL de Cacoal