IMPRENSA
09 de outubro de 2020 - 07h55

A- A A+

Cultura e cidades amazônicas discutidas em debates prévios ao Amazônia+21


 

Nesta quarta-feira, 14, acontece a quarta e última rodada de debates prévios do  Fórum Mundial Amazônia+21, com três painéis. O primeiro falando sobre pessoas, o segundo sobre negócios, ambos na parte da manhã, e à tarde, o terceiro painel trazendo o papel das cidades no desenvolvimento da região amazônica. Todos acontecem no horário de Brasília.

 

Primeiro painel inicia às 9h30. “Um pouco sobre a história e a vida na Amazônia – a diversidade dos povos e os desafios da floresta”, com a participação no estúdio, do cacique Almir Suruí e remotamente, do escritor Márcio Souza e do geógrafo Gustavo Rangel, todos profundos conhecedores da vida na Amazônia.

 

Segundo painel começa às 11 horas, com o tema “Amazônia ativa – conectando pessoas, florestas e mercados”. Também serão apresentados três cases de cooperativas e redes que atuam na região: Rede da Floresta (RO); Amazonbai (AP); e Coopavam (MT) e o ´painel será moderado pelo SEBRAE.

 

A partir das 14 horas, “O papel das cidades na promoção do desenvolvimento sustentável da Amazônia”, é o tema do terceiro painel, com a participação de instituições como a Ekla (Programa Regional de Segurança Enérgica e Mudanças Climáticas para a América Latina), Iclei (Governos Locais pela Sustentabilidade), Fundação Kas (Konrad Adenauer) e Way Carbon como articuladores.

 

Este painel será desdobrado em dois diálogos. O primeiro abordando “Cidades e Desenvolvimento Sustentável” será moderado pelo gerente de Relações Institucionais do Iclei América do Sul, Rodrigo Corradi e participação do diretor regional da ONU-Habitat para América Latina e o Caribe, Elkin Velásquez; a diretora regional do programa de segurança energética e mudanças climáticas da Fundação Konrad Adenauer, Nicole Stopfer e prefeitos da região. 

 

O segundo, “Desenvolvimento Urbano Sustentável” será conduzido com as presenças do pesquisador sênior associado da Consultoria Way Carbon, Sérgio Margulis; o Secretário Executivo da Frente Nacional de Prefeitos, Gilberto Perre; a Gerente de Mudança do Clima e Biodiversidade no Iclei América do Sul, Sophia Picarelli; e o vice-ministro de ordenamento ambiental do território do governo colombiano, Roberto Mario Esmeral Berrio.

 

Assim como no Brasil, cerca de 80% da população da região vive nos 775 municípios dos nove estados da Amazônia Legal – os sete estados da região Norte, Maranhão e Mato Grosso. Portanto, as cidades também devem ser repensadas quando se discute novas formas de desenvolvimento da região. “Boa parte dos 775 municípios que integram a Amazônia Legal enfrentam carências diversas como o acesso à água potável e encanada, saneamento básico, logística, conectividade, saúde e educação. Trata-se de uma região que foi esquecida por muito tempo e hoje convive com um baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) e baixa renda”, explica o coordenador do Fórum, Marcelo Thomé.

 

 Sobre o Amazônia+21

 

O objetivo do Amazônia+21, é conectar governos, empreendedores, cientistas, pesquisadores, setor produtivo, investidores e sociedade para dialogar sobre a geração de riquezas na região amazônica, com proteção plena ao bioma.

 

O evento é aberto, com tradução simultânea em inglês e espanhol, e transmitido pelas redes sociais da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – Youtube e Facebook. A organização do Fórum lembra que o evento é 100% online e as inscrições de forma gratuitas podem ser feitas através do link: Amazônia+21.

 

O Amazônia+21 é uma realização da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), Prefeitura Municipal de Porto Velho, da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho, com a correalização da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

 

Assessoria de Comunicação Social FIERO

 

 

 

 

 

 


Mais notícias

Mais da metade da indústria está com dificuldade para atender sua demanda, afirma CNI

Indústria pode ser protagonista da bioeconomia no Brasil, diz presidente da CNI

Pavimentação asfáltica garante qualidade e segurança à comunidade escolar do SESI-SENAI-IEL de Cacoal

Indústria se recupera da crise desencadeada pela pandemia, mas de forma heterogênea