IMPRENSA
23 de outubro de 2020 - 12h31

A- A A+

Um sistema industrial forte

A indústria nacional é forte e tem uma grande contribuição para o desenvolvimento e a economia país. Responde por 20,9% do PIB (Produto Interno Bruto), mas paralelamente é responsável por 70% de todas as exportações brasileiras. Tem um grande poder de gerar crescimento, com o melhor desempenho entre os setores produtivos. Para cada R$ 1 produzido no comércio é gerado R$ 1,49 na economia; na agricultura, R$ 1,66; enquanto na indústria para cada real produzido, são gerados R$ 2,40.


E é também na indústria, setor que no país emprega 9,4 milhões de pessoas, que se pagam os melhores salários. Enquanto a média nacional para um trabalhador com ensino superior é de R$ 5.750, na indústria esse valor é R$ 7.668. Aos trabalhadores com ensino médio, o país paga em média R$ 2.110, mas a indústria paga R$ 2.403, conforme dados da CNI (Confederação Nacional da Indústria).


O sistema industrial brasileiro tem uma organização condizente com essa importância.  Lideradas pela CNI, temos federações em todos os estados, que congregam uma grande diversidade de sindicatos em torno de interesses comuns. Por meio dessa organização, o sistema industrial consegue desenvolver iniciativas importantes para seus associados, com a defesa dos interesses do setor, a capacitação profissional e o desenvolvimento de soluções tecnológicas.


Em Rondônia, onde o setor industrial responde 10.488 empregos na indústria da construção civil e outros 41.595 empregados na indústria em geral, a FIERO (Federação das Indústrias do Estado de Rondônia) representa diretamente as indústrias e sindicatos de segmentos relevantes na economia rondoniense.


E essa organização, com as federações à frente, tem um papel igualmente importante no bem-estar e na formação e capacitação de cidadãos trabalhadores.


Desde 1946, o SESI (Serviço Social da Indústria) atende indústrias e trabalhadores em gestão da segurança e saúde no trabalho e na promoção da saúde e educação dos trabalhadores, seus dependentes e a comunidade.


Já o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) é um dos cinco maiores complexos de educação profissional do mundo e o maior da América Latina. Seus cursos formam profissionais para 28 áreas da indústria brasileira, desde a iniciação profissional até a graduação e pós-graduação tecnológica.


Em nosso estado, por meio do SESI e do SENAI, levamos ensino a mais de 10 mil rondonienses. As maiores demandas atendidas são de cursos técnicos, como Eletrotécnica, Eletromecânica e Eletroeletrônica; e de qualificação, como de eletricista de redes de distribuição, eletricista predial, eletricista industrial, de manutenção automotiva e de sistemas de climatização.


Defendemos a garantia da continuidade de tudo isso. A garantia de um sistema industrial forte, capaz de fazer a diferença na hora de defender as empresas do setor. E ao fazermos essa defesa, estamos defendendo também a economia de Rondônia e do país.

 

Marcelo Thomé

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO)


Mais notícias

Nota de Pesar - Antônio Orlandino Gurgel do Amaral

Indústria pede manutenção de agência que analisa operações de crédito à exportação

Produtividade do trabalho na indústria cresce 8 por cento no terceiro trimestre, aponta CNI

Conheça os projetos vencedores da Semana SENAI de Inovação