Usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação em nosso site. Ao navegar, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Aviso de Privacidade e nossa Política de Privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.

IMPRENSA
03 de August de 2022 - 09h04

A- A A+

Setor produtivo ganha mais segurança jurídica com novo decreto do IPI, afirma FIERO


A edição do Decreto nº 11.158, em vigor desde sexta-feira, 29, que viabiliza a redução de 35% no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) da maioria dos produtos fabricados no Brasil, foi recebida com otimismo pela indústria e todo o setor produtivo rondoniense.  

No ponto de vista da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), o governo federal adotou uma estratégia inteligente, porque ao mesmo tempo em que beneficiou a indústria brasileira reduzindo esta carga tributária pesada e tão combatida por destruir a competitividade dos produtos nacionais, conseguiu preservar o polo industrial de Manaus. Alguns produtos ficaram de fora, por exemplo, as motocicletas, pois o principal local de fabricação é na capital do Amazonas.

A redução é o início de um processo gradual de diminuição do tributo e será feito com responsabilidade para não prejudicar a Zona Franca de Manaus, que hoje se beneficia pela isenção do imposto. O corte de impostos deve ter efeito sobre 4 mil produtos não fabricados na Zona Franca de Manaus. Na região são produzidos eletrodomésticos, veículos, motocicletas, bicicletas, TVs, celulares, aparelhos de ar-condicionado e computadores, entre outros itens.

O Ministério da Economia garante que a redução vai beneficiar mais de 300 mil empresas, sobretudo a indústria de transformação. O impacto da medida é de R$ 19,6 bilhões.

Para a FIERO, o Decreto vai contribuir para os esforços de reindustrialização do país por meio de redução da carga tributária, incentivando a competividade da indústria nacional e a consequente potencial geração de emprego e renda em todas as regiões.

A Federação espera que o Decreto tenha ainda reflexo positivo no Produto Interno Bruto (PIB), com a redução do custo Brasil e maior segurança jurídica, desta forma ampliando a competitividade da indústria, com menos impostos e aumento da produção.

 

 


Mais notícias

1 em cada 4 brasileiros não consegue pagar todas as contas do mês

Manutenção do Pronampe facilita acesso ao crédito com juros mais acessíveis, afirma FIERO

Rio de Janeiro recebe Festival Internacional de Robótica pela primeira vez

SENAI-RO é parceiro em treinamento sobre climatização