IMPRENSA
21 de dezembro de 2017 - 16h24

A- A A+

Movimento visa aumentar produtividade do trabalhador

A Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (Fiero) está executando o projeto com a finalidade de melhorar a qualidade da educação para crianças, jovens e adultos em Rondônia. O Movimento Rondônia pela Educação agregará ações e projetos para impulsionar o ensino no estado.

Durante sua passagem por Rondônia, para o seu lançamento, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Glauco Côrte, apresentou dados relevantes sobre os êxitos alcançados pelo Movimento Indústria pela Educação de SC, além de dados sobre pesquisas quanto a produção dos trabalhadores do segmento industrial.

“Em uma pesquisa, foi identificado que precisamos de cinco trabalhadores brasileiros para alcançar a produtividade de um trabalhador americano. Três brasileiros para produzir o mesmo que um alemão e dois para alcançar a produção de um coreano”, disse. Côrte acrescenta que a baixa produtividade do trabalhador industrial brasileiro não se deve unicamente à sua responsabilidade, mas também as condições de trabalho ofertadas a ele e a dificuldade de acesso a uma educação de qualidade.

“Tendo diante de nós este cenário, resolvemos criar o Movimento Indústria pela Educação. O primeiro passo foi cria-lo no âmbito do próprio segmento industrial visando mobilizar, influenciar sobre tudo os empresários industriais a importância de qualificarmos o trabalhador”, explicou.

Criado desde de 2012, o programa conta atualmente com 16 polos, localizados nos municípios onde a Fiesc conta com as regionais de suas vice-presidências. Em 2013, a adesão do setor industrial já representava quase 350 mil, dos 812 mil trabalhadores da indústria catarinense. “No primeiro ano, nós alcançamos cerca de 500 mil pessoas nesse movimento”, afirmou Côrte.

O presidente da Fiesc ressaltou ainda as ações de 2014, onde foi decidido que o Movimento trabalharia campanhas específicas. “A primeira temática foi a família na escola. O tema foi escolhido em virtude de uma pesquisa da Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico e do Instituto Ayrton Sena com 25 mil crianças do Rio de Janeiro. Verificou-se que aqueles acompanhados pelos pais na vida escolar apresentavam desempenho superior às que não contavam com este apoio”, disse. Côrte enfatizou que a abordagem teve como proposta principal inserir os pais na vida escolar de seus filhos e a valorizar a escola.

No ano de 2015, o movimento aderiu ao programa “Educação que faz sentido”, que tem por finalidade reduzir a evasão escolar, absenteísmo e aumentar o número de concluintes no curso e melhorar o Índice da Educação Básica (IDEB) de cada região e atrair sobretudo a comunidade ao movimento. “Ainda temos um longo caminho a percorrer, mas precisamos repensar no modo de fazer educação e temos ainda a responsabilidade de preparar melhor nossos jovens para o futuro que os espera”, concluiu.

Coordenado pela educadora Raquel Volpato Serbino, Especialista em Gestão Escolar, com Pós-Doutorado na Universidade de São Paulo, o Movimento Rondônia pela Educação já nasce com apoio de entidades e instituições como Governo do Estado, Ordem do Advogados do Brasil, Federação da Agricultura e Pecuária (Faperon), Fecomércio e faculdades particulares.

Assessoria de Comunicação Social do Sistema Fiero


Mais notícias

Mais da metade da indústria está com dificuldade para atender sua demanda, afirma CNI

Indústria pode ser protagonista da bioeconomia no Brasil, diz presidente da CNI

Pavimentação asfáltica garante qualidade e segurança à comunidade escolar do SESI-SENAI-IEL de Cacoal

Indústria se recupera da crise desencadeada pela pandemia, mas de forma heterogênea