IMPRENSA

A- A A+

Custos da indústria brasileira sobem 8,8 por cento, informa CNI

Estudo mostra que a alta registrada em 2018 foi a maior desde o início da série, em 2006. Os custos com energia aumentaram 18,2% e, os com bens intermediários, 13,4%


Pressionados pelos aumentos da energia e dos preços dos bens intermediários, os custos da indústria brasileira subiram 8,8% em 2018 frente a 2017. Foi a maior alta registrada desde o início da série em 2006, informa o Indicador de Custos Industriais, divulgado nesta sexta-feira, 15 de março, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Enquanto os custos subiram 8,8%, os preços dos produtos industrializados aumentaram 8,4%, conforme o Índice de Preços de Manufaturados Domésticos (IPA-Indústria de Transformação), medido pela Fundação Getúlio Vargas. Isso mostra que a indústria reduziu sua margem de lucro pois enfrentou dificuldades para repassar o aumento de custos aos consumidores.

O Indicador de Custos Industriais é formado pelos índices de custo tributário, de custo com capital de giro e com custo de produção. O único componente do indicador que caiu no ano passado foi o custo com capital de giro, que recuou 15,5% em relação a 2017. O índice de custo tributário subiu 3,6% e o de produção aumentou 10,9% em 2018 na comparação com 2017.

O índice de custo de produção é composto pelos índices de custos com pessoal, energia e bens intermediários (insumos e matérias-primas utilizados na fabricação de um produto). O campeão dos aumentos no ano passado foi o custo com energia, que subiu 18,2% em relação a 2017. “Foi o segundo maior aumento da série iniciada em 2006, atrás apenas do aumento de 41,3% verificado em 2015”, diz o estudo da CNI. A energia elétrica subiu 12,8% e o óleo combustível aumentou 41,3% no período.

Os custos de produção também foram impulsionados pela alta de 13,4% nos custos com bens intermediários. O custo com intermediários domésticos subiu 11,9%, o maior da série histórica, que começou em 2006. Na avaliação da CNI, além da elevação dos custos com energia, a greve dos caminhoneiros, a tabela de preço mínimo dos fretes rodoviários e a alta de 22,3% nos insumos e matérias-primas importados também contribuíram para o aumento dos bens intermediários. O aumento dos custos com bens intermediários importados é resultado da desvalorização do real frente ao dólar ao longo de 2018.

CÂMBIO E COMPETITIVIDADE - Entretanto, a desvalorização do real ajudou a melhorar a competitividade dos produtos brasileiros. Isso porque, enquanto os custos da indústria nacional cresceram 8,8%, o preço dos manufaturados importados aumentou 22,5% em reais na comparação com a média de 2017. A indústria brasileira também ganhou competividade no mercado externo, pois os preços dos produtos manufaturados nos Estados Unidos subiram 20,8% no mesmo período em que os custos no Brasil subiram 8,8%. “A redução dos custos industriais é essencial para melhorar a competitividade da indústria brasileira no longo prazo, sem depender de desvalorização cambial”, diz a economista da CNI Maria Carolina Marques.

A CNI destaca que a desvalorização do real tem dois efeitos sobre a competividade brasileira.  No curto prazo, há um impacto positivo porque a valorização do dólar encarece os produtos estrangeiros. No médio prazo, o impacto é negativo pois o dólar mais caro eleva os custos da indústria com insumos e matérias-primas importadas, o que acaba elevando os custos do produto nacional.


Mais notícias

Indústria defende regulamentação de serviços de reúso de água de esgoto

Brasil tem chance tirar da gaveta acordo com Chile que dá acesso a mercado de US$ 11 bilhões, diz indústria

Chile, México, Colômbia e Peru estão à frente do Brasil no ranking da competitividade, diz estudo da CNI

Acordo entre Brasil e Estados Unidos coloca o país no mercado de lançamento de satélites de mais de US$ 3 bilhões