IMPRENSA
14 de agosto de 2019 - 17h30

A- A A+

Aprovação da MP da Liberdade Econômica valoriza quem empreende e gera emprego, afirma presidente da CNI

Segundo Robson Braga de Andrade, medida reduz o peso da burocracia e protege ambiente de negócios de atos do Estado que prejudiquem a livre iniciativa e a inovação. Micro e pequenas serão os principais beneficiados

A aprovação da Medida Provisória nº 881, a MP da Liberdade Econômica, pela Câmara dos Deputados sinaliza um importante avanço na remoção de antigos entraves às atividades produtivas e ao empreendedorismo no Brasil. Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o texto que agora será analisado pelo Senado reduz o peso da burocracia, limita a margem para interferência do Estado na livre iniciativa e promove maior segurança jurídica, fatores essenciais para destravar a economia e para a geração de emprego e renda no país.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, destaca que o ambiente de negócios do país é reconhecidamente hostil a quem quer empreender, o que reflete no Brasil figurar em posições desfavoráveis em rankings globais de competitividade, como o Doing Business, do Banco Mundial, e o World Competitiveness Report, do Fórum Econômico Mundial. “Embora a livre iniciativa esteja expressa e o livre exercício da atividade econômica estejam expressos na Constituição, o que vínhamos observando era um quadro de forte desestímulo a quem quisesse abrir sua empresa, a produzir, a inovar. A MP aponta para uma urgente e necessária correção de rota”, diz.

Para Andrade, a MP traz avanços relevantes, principalmente para micro e pequenas empresa, que possuem menos recursos para conviver com o peso da burocracia e do excesso de regulação e com a insegurança jurídica. Um exemplo é a simplificação de processos para abertura e fechamento de empresas e elimina a exigência de licenças e alvarás para atividades de baixo risco, como pequenos comércios. A determinação para que processos de fiscalização tenham caráter orientativo, e não punitivo, também é aponta para a redução de entraves à produção.

Ao lado de medidas estruturantes, como as reformas da Previdência Social e do sistema tributário – já em debate no Congresso Nacional –, a MP da Liberdade Econômica integra um conjunto de ações que contribuirão para elevar a capacidade de competir das empresas brasileiras. “Essas são medidas que, em seu conjunto, devem ter impacto gradual positivo no dia-a-dia do setor produtivo, o que potencializará a retomada do emprego na medida em que haja a recuperação da economia”, afirma Andrade.

A CNI destaca, entretanto, que algumas das medidas exigirão um trabalho de "catequese" junto a estados e municípios. A entidade defende que a publicação de rankings estaduais e municipais pode ser uma força de pressão para a agenda de simplificação.

 

ATENDIMENTO À IMPRENSA

Superintendência de Jornalismo da CNI

(61) 3317-9942

imprensa@cni.com.br 

SITE

http://www.portaldaindustria.com.br/ 

REDES SOCIAIS

https://twitter.com/CNI_br

https://www.facebook.com/cnibrasil

http://www.youtube.com/user/cniweb 

IMAGENS

https://www.flickr.com/photos/cniweb/


Mais notícias

Encontros empresariais debatem tendências em economia circular e propostas para melhorar saúde suplementar, no dia 24 de setembro, em São Paulo

Confiança do empresário industrial permanece elevada em setembro, mostra pesquisa da CNI

Presidente da CNI pede acordo com a Alemanha para evitar dupla tributação

Brasil precisa de política industrial que promova mudança estrutural e ganho de produtividade, diz CNI