IMPRENSA
27 de novembro de 2019 - 15h38

A- A A+

Licenciamento é importante para a preservação do meio ambiente

O licenciamento ambiental e sua importância para a conservação dos recursos naturais, foi o tema principal da reunião do Conselho Temático de Meio Ambiente e Sustentabilidade (COEMAS), que aconteceu na última segunda-feira, 25. Conduzida pelo presidente da Federação das Indústrias de Rondônia (FIERO), Marcelo Thomé, que também preside o COEMAS, a reunião foi realizada nas dependências da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), em Brasília.

De acordo com a consulta da CNI feita com 583 representantes do setor industrial, mostra que para 95,4% dos executivos o licenciamento é um importante instrumento para a conservação do meio ambiente. Além disso, 65,5% dos entrevistados não veem o licenciamento apenas como mais uma forma de arrecadação pelo Estado e, para 84% dos empresários, o licenciamento contribui para a melhoria da gestão ambiental de suas empresas.


O levantamento mostra que, apesar disso, 55,2% dos entrevistados apontam que o atual modelo de obtenção de licenças ambientais não atinge seu objetivo de garantir a conservação. Os dados foram apresentados no evento Oportunidades e Desafios para o Licenciamento Ambiental, realizado pela CNI nesta quarta-feira, 27.


Por outro lado, os entrevistados apontam também desafios do atual processo de licenciamento que prejudicam os negócios. Entre os principais estão o excesso de burocracia, a demora na análise e na manifestação de órgãos envolvidos e a falta de clareza sobre as informações repassadas pelo órgão licenciador. Tudo isso acaba por impactar em custos com taxas, contratação de técnicos, de consultoria jurídica e para elaboração de estudos e monitoramento. Dos entrevistados, 86,3% concordam totalmente ou parcialmente que esses custos são elevados.

AGILIDADE - Mônica Messenberg diz que tornar o licenciamento ambiental mais ágil com melhoria da qualidade técnica das análises é possível e fundamental para a melhoria do ambiente de negócios. Segundo ela, a CNI apoia o Projeto de Lei (PL) 3.729/2004, da Câmara dos Deputados, por entender que a proposta promove a conservação do meio ambiente e assegura condições ao desenvolvimento econômico.

“Os processos de licenciamento são longos, burocráticos e implicam custos elevados para as empresas. Isso prejudica o ambiente de negócios e, conforme verificado na consulta, não garante a conservação ao meio ambiente. É necessária uma norma federal que indique diretrizes gerais para o licenciamento ambiental e vise desburocratizar e diminuir as distorções existentes nos diversos procedimentos adotados no país”, defende Mônica.

Em média, os entrevistados afirmaram que gastam 3% do valor da obra com o processo de licenciamento ambiental. No entanto, um quinto dos empresários revelaram ter gastos superiores a 5% do valor total do empreendimento. “Essa grande variação nos valores gastos reforçam a dificuldade enfrentada pelos empresários em prever o montante financeiro necessário para a conclusão de um processo de licenciamento ambiental”, analisa o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI, Davi Bomtempo.

INVESTIMENTOS – Além da burocracia e dos elevados custos, na consulta constatou-se ainda que, para parcela significativa de empresários, há uma relação importante entre o licenciamento ambiental e os investimentos, e ainda com a geração de emprego e renda. Consequentemente, 56,3% dos respondentes acreditam que o licenciamento atrasa o desenvolvimento econômico da região em que atuam.


Mais notícias

CNI e Febraban se posicionam contra qualquer tipo de CPMF

Confiança da indústria sobe nos 30 setores industriais pesquisados em setembro, diz CNI

Avaliação positiva do governo Jair Bolsonaro sobe para 40 por cento, mostra CNI-Ibope

Painel destaca importância da infraestrutura para o desenvolvimento sustentável da Amazônia