IMPRENSA
06 de outubro de 2020 - 09h09

A- A A+

Faturamento da indústria acumula crescimento de 37,8 por cento entre maio e agosto, mostra pesquisa da CNI

Indicadores Industriais mostra que vendas do setor superam período pré-pandemia. O emprego industrial voltou a crescer e a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) está praticamente de volta ao período anterior à crise


A pesquisa Indicadores Industriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que o faturamento real ultrapassou o patamar do início do ano e a atividade da indústria de transformação manteve-se em crescimento no mês de agosto. O faturamento aumentou 2,3% na comparação com julho e 37,8% em relação a abril, no auge da crise provocada pela pandemia.  Ainda assim, devido à forte queda de março e abril, no acumulado do ano, o valor se encontra 3,9% abaixo do registrado no mesmo período de 2019.

O emprego industrial cresceu 1,9%. Esse é o primeiro mês de crescimento no ano de 2020. Com esse desempenho, o nível de emprego já se encontra próximo ao patamar pré-crise. As horas trabalhadas cresceram 2,9% entre julho e agosto. Acumulam um crescimento de 25,1% em relação a abril, mas ainda que não retornou ao patamar pré-crise.

“Os números de agosto reforçam a percepção de recuperação em “V” da atividade industrial, recuperação que já vem de alguns meses. A importante novidade do mês é que essa alta da atividade veio acompanhada de crescimento do emprego, o que sugere maior confiança do empresário na sustentação dessa recuperação”, diz o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) de agosto alcançou 78,1% e se encontra 0,8 ponto percentual (p.p.) abaixo do percentual de fevereiro deste ano. Além disso, a massa salarial registrou aumento de 4,5% em agosto, na comparação com julho. O crescimento mais que compensou a queda do mês anterior, mas o indicador ainda está distante do patamar pré-pandemia. Algumas empresas ainda estão adotando suspensão de contrato ou redução de jornada com redução de salário.

Acompanhando o movimento da massa salarial, o rendimento médio real pago aos trabalhadores cresceu 2,8% em agosto na comparação com julho, após ajuste sazonal. O rendimento médio também é afetado pelos acordos de redução de jornada ou suspensão de contrato e se encontra distante do patamar pré-pandemia. Na comparação com agosto de 2019, a queda é de 2,2%.


Mais notícias

Mais da metade da indústria está com dificuldade para atender sua demanda, afirma CNI

Indústria pode ser protagonista da bioeconomia no Brasil, diz presidente da CNI

Pavimentação asfáltica garante qualidade e segurança à comunidade escolar do SESI-SENAI-IEL de Cacoal

Indústria se recupera da crise desencadeada pela pandemia, mas de forma heterogênea