IMPRENSA
21 de July de 2021 - 09h12

A- A A+

Confiança da indústria segue disseminada em 30 setores pelo terceiro mês consecutivo, mostra CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) de julho permaneceu acima dos 50 pontos em todos os setores. Produtos de madeira é o mais confiante

 

Os 30 setores industriais analisados pelo Confederação Nacional da Indústria (CNI), em julho, estão confiantes na economia e na situação de suas empresas. Esse foi o terceiro mês consecutivo em que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) permaneceu acima dos 50 pontos para todos os setores. O indicador varia de 0 a 100, sendo 50 pontos a linha de corte entre um cenário positivo e negativo.

 

Acesse aqui a entrevista do economista-chefe da CNI, Renato da Fonseca, em 4k e 60 FPS, e o pacote de imagens do nosso Banco de Mídia.

 

De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, o resultado marca um período de confiança disseminada entre todos os setores da indústria. Em março e abril, empresários de determinados setores industriais haviam mostrado falta de confiança, em resposta ao agravamento da pandemia de covid-19 e à necessidade de novas medidas restritivas às atividades econômicas. 

 

O indicador caiu em 11 setores em julho na comparação com junho. “Contudo, desses 11, em nove deles, a queda foi inferior ou igual a 1,5 ponto. Os setores que registraram queda de confiança mais intensa foram Produtos de borracha, com queda de 3,5 pontos, e Bebidas, com um recuo de 2,7 pontos. Mesmo assim, o índice nesses setores continua elevado”. 

 

Os setores mais confiantes na economia são: Produtos de madeira, Químicos, Máquinas e equipamentos, Metalurgia e Máquinas, aparelhos e materiais elétricos.


Mais notícias

Nove em cada 10 brasileiros dizem que tomariam qualquer marca de vacina contra Covid-19, aponta CNI

4 benefícios do programa de estágio para sua empresa

SESI e SENAI trabalham há 80 anos pela inserção dos jovens menos favorecidos no Brasil, dando formação e cidadania

Indústria sente efeitos da pandemia com a falta e alto custo das matérias-primas no segundo trimestre de 2021