IMPRENSA
10 de September de 2021 - 14h10

A- A A+

FIERO é favorável ao projeto que modifica os limites do Parque Nacional Mapinguari

Representando a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), o vice-presidente de Assuntos Tributários, Edmilson Matos Cândido, participou de audiência pública online realizada pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, nesta sexta-feira, 10, do debateu sobre o Projeto de Lei 11133/18, que modifica os limites do Parque Nacional Mapinguari, localizado entre os estados de Rondônia e Amazonas.


O pedido para realização da audiência pública foi apresentado pela deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), relatora do projeto. Ela lamenta que o limite do parque esteja sendo alterado pela terceira vez para atender demandas da Hidrelétrica Santo Antônio.


Para a audiência foram convidadas várias entidades. Além da FIERO, participaram representantes da procuradora da República em Rondônia, da Universidade Federal de Rondônia (Unir), do Instituto Madeira Vivo (IMV), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), da Usina Hidrelétrica Santo Antônio, do Ministério de Minas e Energia e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e especialistas.


O representante da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO) agradeceu a oportunidade que a requerente da audiência, deputada Joenia Wapichana, proporcionou neste ato a FIERO de se manifestar a respeito de tema de elevada relevância, principalmente para as pessoas do estado do Acre e Rondônia. “Como vice-presidente trago nossa manifestação a respeito do Projeto de Lei 11.133/2018 que teve como relator o deputado Atila Lins que se posicionou favorável. O Projeto de Lei foi aprovado também por unanimidade pela Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia.


“O meu papel nesta audiência é trazer o ponto de vista e pareceres da minha instituição, assim, representando a coletividade mencionada na constituição federal, no meu caso as indústrias e Rondônia. Quando nossa constituição trata da garantia do desenvolvimento nacional, atribuí a nós a responsabilidade de desenvolver nossa região, porque é o povo que nela habita que sabe quais são as suas dificuldades e suas oportunidades. Para garantir um desenvolvimento equilibrado e com impactos controlados ao meio ambiente”, afirmou Cândido.


O vice-presidente da FIERO ressaltou que para a população das áreas rurais, urbanas, florestas e beira dos rios que cortam os estados de Rondônia e Acre os impactos serão positivos. “Conseguimos mensurar os 0,03% de área necessária para a implementação do projeto, percentual este que mantem o equilíbrio no meio ambiente e podemos contabilizar o aumento dos 13,6 milhões de royalties para porto velho. Mas o grande número não foi apresentado que é o impacto econômico e na qualidade de vida dos habitantes de Acre e Rondônia”, relatou.


Ainda conforme Cândido, a indústria precisa se modernizar com tecnologias que necessitam de energia estável e com qualidade, este é o grande desejo. Acredito que todos os indivíduos moradores destes dois estados já sofreram com quedas de energia e eletrodomésticos queimados. “O desenvolvimento começa na casa do ribeirinho, chegando também na indústria. Isto significa a materialização das palavras da constituição impactando pessoas, pois só com desenvolvimento sustentável será possível erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades sociais e regionais”, disse.


Ele lembrou que o Norte é uma região desigual no Brasil, distante dos grandes centros e sem infraestrutura para industrializar estes dois estados e gerar empregos e oportunidades para os cidadãos que trazem no peito um coração apaixonado pelo norte do Brasil e a coragem para industrializar e gerar a tão sonhada sustentabilidade econômica e distribuição de renda por todo estado.


“Represento aqui a indústria de Rondônia. Represento a padaria, a confecção, a cerâmica, a indústria da madeira, o comércio, a agroindústria rondoniense, entre outros setores produtivos importantes que eu defendo e que precisam se desenvolver para atender minimamente os consumidores de Rondônia e Acre, com a qualidade que eles querem e nós almejamos. Somente assim a nossa indústria vai prosperar”, argumentou o vice-presidente da FIERO, que finalizou reiterando que a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia é favorável ao Projeto de lei 11.133/2018 para que seja garantido o desenvolvimento nacional com uso comum dos recursos naturais preservando nosso meio ambiente.


Mais notícias

Instituto Amazônia+21 trará projetos sustentáveis para a Amazônia

SENAI-RO forma turma de Assistente de Recursos Humanos

FIERO lança Instituto Amazônia+21 para promover negócios sustentáveis

FIERO conhece plataforma de empregabilidade da SEDI