Usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação em nosso site. Ao navegar, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Aviso de Privacidade e nossa Política de Privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.

IMPRENSA
27 de September de 2022 - 16h32

A- A A+

SENAI-RO participa do Fórum Nacional Consecti & Confap

Integrantes da coordenação de Soluções em Tecnologia e Inovação (STI) do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), formada pelo coordenador José Rafael Lopes e Cleópatra Caldeira, participou do Fórum Nacional Consecti & Confap, realizada na última semana, em Porto Velho, e contou ainda com a participação do Ministro da Ciência e Tecnologia e Inovações (MCTI), Paulo Alvim.


O evento que se caracterizou como uma oportunidade de conversar com os atores de ciência, tecnologia e inovações da região Amazônica, reuniu representantes das 27 Fundações de Amparo à Pesquisa, Secretários de Inovação, representantes do MCTI e de entidades e agências federais de fomento à ciência, tecnologias e inovação (CT&I). De iniciativa do Conselho de secretários estaduais de CT&I (Consecti), e do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap).


A Amazônia é uma prioridade para a área de CT&I, e para demonstrar esse interesse, os representantes do ministério e demais braços vinculados, como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Fundação de Inovação e Pesquisa (FINEP), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) fizeram apresentações sobre suas estruturas, organização e atuação.


Conforme o coordenador de STI do SENAI-RO, a apresentação da plataforma InvestMCTI, destinada a diversificar os investimentos em ciência e tecnologia e facilitar o financiamento de projetos com maior nível de maturidade tecnológica, que envolvem o fomento ao desenvolvimento de tecnologias em áreas como aeronáutica, espacial, energia, energias renováveis, mineração, materiais avançados, nanotecnologia, tecnologias para a saúde, é um fator que vai impulsionar os investimentos na área de CT&I na região Amazônica. No evento, também foram destacadas as atividades na área de transformação digital e no fomento aos ambientes inovadores.


Ao ser apresentado ao secretário de Empreendedorismo e Inovação, que faz parte do conselho da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), José Gustavo Gontijo, Lopes questionou sobre os recursos gerenciados pelo Comitê das Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento na Amazônia (Capda), que destina 99% para a Zona Franca de Manaus. Gontijo explicou, que há a necessidade de alteração na Legislação, que depende de articulação política dos parlamentares dos estados da Amazônia Ocidental (composto por Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima) e do Amapá. Anteriormente, uma resolução do Capda que destinava 20% dos recursos para estes estados, foi cancelada.


No evento foi apresentada a Carta de Manaus, que apresenta às agências de fomento federais, a definição de contrapartida dos Estados e ações conjuntas que podem ser desenvolvidas em termos de tecnologias e inovações. Este documento substitui a carta de Salvador, elaborada há 18 anos em Salvador. A atualização reuniu representantes das Fundações de Amparo à Pesquisa, e foi assinada pelos presidentes do Consecti e Confap.


Para Cleópatra Caldeira com a atualização da Carta de Manaus, espera-se efetividade na redução das desigualdades entre as unidades da federação. “Com isso os estados do Norte poderão participar dos investimentos em PD&I de maneira equilibrada frente aos demais, podendo aportar uma contrapartida numa relação de um para cinco, ou seja, a cada cinco reais destinado pelo Governo Federal, o Estado adiciona mais um”, ponderou.


Mais notícias

Parceria entre Instituto Amazônia+21 e Energisa reafirma compromisso com a descarbonização

Noite festiva marca outorga dos prêmios Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia

Indústria da construção registra queda no ritmo de crescimento em outubro

Brasil está engajado no esforço global pela descarbonização da economia