IMPRENSA
10 de February de 2023 - 09h14

A- A A+

Equipes de robótica do Pará dão show de cultura e tecnologia em torneio regional

Produtos típicos, como o açaí e a farinha, se juntam às festas populares e tradições ribeirinhas para provar que a robótica vai muito além de construir robôs


O açaí é o petróleo do Pará. O estado é o maior produtor e exportador do fruto, que, diferentemente do combustível fóssil, é roxo e dá em cima da terra, mais especificamente, em uma palmeira amazônica. E, se estamos no Pará e energia é o tema da temporada de robótica da FIRST LEGO League Challenge (FLL), o açaí é um ativo precioso. 

 

A competição regional de FLL acontece nesta quinta (9) e sexta-feira (10) em Ananindeua, região metropolitana da capital do estado, Belém. São 36 equipes e mais de 200 alunos, que trazem em seus adereços, projetos de inovação e nomes dos times o que a região Norte e o estado têm de mais rico: suas tradições, cultura, cores e sabores. 

 

O elenco é de peso e tem, além do mundialmente famoso açaí, a farinha de Bragança, patrimônio cultural de natureza material do Estado do Pará, cuja produção tem o registro de Indicação Geográfica (IG) na modalidade Indicação de Procedência. 

 

O arrastão da pavulagem, festa popular que ocorre no meio do ano em Belém, também marca presença; junto com as garças que são a representação animal de um dos pontos turísticos mais famosos da cidade, o mercado Ver o Peso. E como a robótica é festa, mas também é coisa séria, os alunos se debruçam sobre os problemas de comunidades carentes, trazendo ideias e protótipos inovadores que podem melhorar a vida de milhares de pessoas. 

 

Um futuro na TI, na capital mundial do açaí 

 

Igarapé e Miri são, respectivamente, um curso d’água estreito e uma planta nativa, ambos bem comuns na região amazônica. Juntas, elas viraram o nome da cidade que leva o título de capital mundial de açaí. Para se ter uma ideia, só em 2020, o fruto movimentou mais de R$ 1,57 bilhão na economia local, com mais de 420 mil toneladas produzidas – ¼ da produção nacional.  

 

Representando o município, está a equipe Miri Girls, que, claro, trouxe bastante açaí na mala. A técnica Rosana dos Santos explica que a participação das seis estudantes na competição foi possível graças ao projeto EstroGênias, que contempla ao todo 35 meninas.

 

>> SAIBA MAIS: Positivo lança edital para incentivar a participação feminina na robótica

 

“Ainda temos dificuldades para financiamento, conseguimos o transporte com a prefeitura e a gasolina com um vereador. Mas as mães acreditaram na gente e eu já vejo uma grande diferença de quando foi implementado o projeto, há dois anos. As notas eram péssimas, 3, 4, 5. Agora é 8, 9 e 10. Umas já querem ser programadoras, outras querem fazer curso de TI”, comemora Rosana. 

 

Agatha Martins é uma das alunas com bastante interesse e potencial. Dá para ver na empolgação ao descrever o projeto: “Tem pessoas, especialmente na Amazônia e aqui no Pará, que em pleno século XXI vivem sem energia. Nosso município é cercado por rios, então pensamos em fazer energia ser gerada por água. A correnteza da água move a ventoinha e gera energia para as casas ou baterias”. 

 

Farinha e açaí, o combo paraense perfeito 

 

E se o açaí virar fonte de energia? A equipe Tubatronics é da escola SENAI de Bragança, cidade que teve a produção de farinha de mandioca reconhecida, com a IG de Procedência. Mas, apesar de exibirem a tão famosa farinha no pit, foi no açaí que eles encontraram a solução para o projeto de inovação. “Colocamos os caroços de açaí em biodiogestores, onde eles passam por decomposição e, nesse processo, ele vira adubo e libera gás metano para gerar energia”, detalha a competidora Nicolle Costa.

 

Equipes da ilha de Marajó estreiam em um torneio de robótica 

 

Chibé é uma mistura de farinha de mandioca e água. Quem se alimenta dessa mistura é papa chibé, que também é uma forma de chamar quem nasce no Pará. Foi daí que os alunos da escola municipal Pedro Nogueira, na zona rural do município de São Sebastião da Boa Vista, no arquipélago do Marajó, deram o nome à equipe. 

 

A Papa Chibé é uma das três equipes de escolas públicas do Marajó que disputam pela primeira vez um regional de robótica. O grupo, que inclui as equipes Veneza Bot e Robô das Águas, chegou na quarta-feira (8), depois de uma viagem de barco de 10 horas. São ao todo 14 integrantes, mais os técnicos. 

 

O Marajó tem 16 municípios e os piores índices de desenvolvimento humano do Brasil. É para tentar mudar a realidade e trazer melhores perspectivas para as novas gerações daquela localidade que o SESI do estado firmou parceria com a prefeitura e entregou os kits de robótica. Além de montar e programar o robô, eles desenvolvem habilidades de pesquisa para inovar. 

 

Andrey Anderson, capitão e programador da Robô das Águas, explica que sua equipe quis resolver o problema enfrentado pelos ribeirinhos, de alto custo do combustível para os geradores que garantem a energia elétrica nas casas. “A nossa proposta é trazer o gerador para dentro das embarcações, trocando o motor que usa combustível fóssil por uma bateria com inversor que está ligado à hélice do barco”, resume.

 

Festa com garças 

 

De Belém e região metropolitana, as equipes Garça de Botas, do SESI Ananindeua, e Pavulagem, que reúne estudantes de três escolas públicas, já chamam atenção pelos nomes e chapéus que exibem. São homenagens às garças que todo dia batem ponto em frente ao mercado do Ver o Peso e ao Arraial da Pavulagem, que há 35 anos ocorre nos domingos de junho e já é patrimônio cultural do estado. 

 

“Esse é o nosso terceiro ano. Quando criamos a equipe, pensamos em um nome que carregasse a cultura do Pará. Aqui todo mundo já conhece a festa e o chapéu, nem é tão curioso, mas em outros estados, não”, lembra Karen Santos, hoje mentora da Pavulagem. Foi sonhando alto, mas com os pés na terrinha da qual tanto se orgulham, que eles chegaram ao nacional nos dois anos que competiram.  


Mais notícias

Atividade e emprego recuam na indústria da construção, mas desempenho fica acima do esperado para janeiro

Estoques industriais registram terceiro mês de queda, aponta CNI

Confiança do empresário industrial recua 0,5 ponto em fevereiro, aponta CNI

Agenda CNI: Confiança da indústria, Sondagem Industrial e Sondagem Indústria da Construção