IMPRENSA
14 de February de 2023 - 09h14

A- A A+

População aprova mudanças trazidas pelo Novo Ensino Médio

Pesquisa do SENAI e do SESI revela que menos de 15% dos brasileiros acham que hoje o jovem sai preparado para faculdade ou mercado de trabalho. Embora pouco conhecidas, medidas são bem aceitas

 

O novo ensino médio começou a ser implementado nas escolas públicas e privadas do país, no ano passado, de forma escalonada até 2024. Apesar de a população estar pouco informada sobre o modelo, mais de 70% dos brasileiros aprovam as principais diretrizes, incluindo a escolha dos itinerários e novo modelo de currículo. A possibilidade de o estudante fazer um curso técnico é aprovada por 9 em cada 10 pessoas.

 

A pesquisa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e do Serviço Social da Indústria (SESI) ouviu 2.007 brasileiros em abordagem domiciliar em dezembro de 2022. Os resultados são representativos da população com mais de 16 anos e a margem de erro é de 2 pontos percentuais. O material, que traz a percepção sobre a educação no Brasil, será divulgado em três etapas (1 - Novo Ensino Médio, 2 - Ensino Técnico e 3 - Evasão e prioridades).

 

- 55% estão pouco ou nada informados sobre o modelo e apenas 15% estão informados ou muito informados, mas quando são listadas as principais mudanças:

 

- 93% aprovam o curso profissionalizante/técnico durante o ensino médio;

 

- 87% aprovam o aluno fazer escolhas dentro do currículo que estejam relacionadas à carreira que pretende seguir;

 

- 75% aprovam a possibilidade de o aluno escolher parte das disciplinas que pretende cursar;

 

- 72% aprovam novo modelo de currículo;

 

- 69% aprovam aumento da carga horária.

 

Ensino médio não prepara para o ensino superior nem para o mercado de trabalho

 

A boa aceitação das mudanças vem acompanhada do fato de que o ensino médio é a segunda etapa escolar com pior avaliação no que diz respeito à qualidade. A alfabetização aparece em primeiro, com 20% dos entrevistados a avaliando como ruim ou péssima, seguida pelo ensino médio, com 14%. O ensino fundamental tem 13%; creches, 11%; ensino técnico e ensino superior, 8%; especialização/pós-graduação, 7%.

 

“A percepção da maior parte dos brasileiros converge com todas as avaliações do ensino médio. Temos um ensino de baixa qualidade, com altos índices de evasão e distorção idade série, que não engaja nem dialoga com os anseios da juventude e os desafios do século XXI. Mesmo pouco informada sobre a reforma do ensino médio, a sociedade concorda que as mudanças são necessárias”, observa o diretor-geral do SENAI e diretor-superintendente do SESI, Rafael Lucchesi.

 

A última etapa da formação básica deve preparar os jovens para o início da trajetória profissional. Mas, para a maioria dos brasileiros, isso não tem acontecido: 57% acreditam que os estudantes concluem a educação básica pouco ou nada preparados para o ensino superior. Só 1 em cada 10 (13%) acha que o aluno sai bem preparado.

 

Quando a pergunta é se o ensino médio prepara para o mercado de trabalho, o índice se repete: 57% acham que prepara pouco ou nada, sendo que, entre os entrevistados com ensino superior, o percentual aumenta para 71%. Só 14% dos brasileiros - 4% de quem tem nível superior - avaliam que o estudante termina o 3º ano preparado para ingressar no mundo do trabalho.

 

>> Confira entrevista com o diretor do SENAI e do SESI, Rafael Lucchesi, sobre os dados.

 

Na entrevista, Lucchesi responde quais as principais conclusões da pesquisa, o que o novo ensino médio traz de novidade e de pontos positivos, quais os desafios para implementar o novo ensino médio, como o Brasil está em relação a outros países e se há experiências internacionais que podem servir de inspiração.

 

Expectativas com o novo modelo

 

A percepção de que o ensino médio não tem cumprido seu propósito e a avaliação positiva das principais mudanças previstas no novo modelo se desdobram em expectativas. Entre quem está muito informado ou informado sobre o novo ensino médio, 55% acreditam que o potencial para melhorar a formação do aluno é grande ou muito grande. Na população geral, esse índice é de 40%.

 

Além disso:

 

- 83% acreditam que o novo ensino médio irá desenvolver os conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para os jovens;

 

- 83% que as escolas brasileiras irão formar jovens mais preparados para os desafios e demandas do atual mercado de trabalho;

 

- 80% que irá promover a elevação da qualidade do ensino no país.

 

>> Entenda tudo que muda com no Novo Ensino Médio.

 

O SENAI e o SESI

 

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Serviço Social da Indústria (SESI) foram criados em 1942 e 1946, respectivamente, como uma rede nacional responsável por iniciativas de apoio ao setor industrial brasileiro na área de educação profissional e básica, inovação, tecnologia, saúde e segurança no trabalho. Integram essa rede ainda a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL), as federações estaduais da indústria dos 26 Estados e do Distrito Federal, além de 1.280 Sindicatos Patronais Industriais.

 

Hoje o SESI conta com mais de 400 escolas e 200 mil alunos de ensino infantil, fundamental, médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em 2018, a rede foi pioneira na implementação do novo ensino médio, em parceria com o SENAI. Desde então, já passaram pelo modelo mais de 50 mil alunos. Em 2022, foram 28.517 mil matrículas do 1º ao 3º do ano do novo ensino médio.


Mais notícias

Confiança caiu em 21 de 29 setores industriais, aponta CNI

CNI lança prêmio para estimular a representatividade sindical da indústria

Programa do governo deve impulsionar o mercado de crédito, avalia CNI

Condições financeiras da indústria da construção pioraram, segundo CNI