IMPRENSA
26 de May de 2023 - 07h39

A- A A+

Custo da indústria subiu 10,7 por cento em 2022 em relação a 2021

Contribuíram para a alta dos custos da indústria de transformação os gastos com capital e produção, que inclui energia, pessoal e bens intermediários

 

O Indicador de Custos Industriais (ICI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), apresentou aumento de 10,7% em 2022 na comparação com 2021. Dentre os componentes do índice, contribuíram para o resultado a alta dos custos de produção (14,4%) e do custo de capital (35,8%). A pesquisa mostra que houve queda de 13% do custo tributário nesse período devido às desonerações de PIS/Cofins sobre combustíveis e redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre alguns produtos industriais fabricados no Brasil.

 

“Nos custos de produção, que incluem gastos com energia, pessoal e bens intermediários, pesaram a guerra na Ucrânia e o aumento nos preços de insumos e de commodities energéticas, principalmente nos dois primeiros trimestres de 2022. O terceiro e o quarto trimestres foram marcados pela influência de fatores internos no custo de produção, como o aumento dos custos com pessoal”, diz a economista Paula Verlangeiro.

 

>> Veja aqui revista, vídeo e áudio, com a economista, Paula Verlangeiro, além de imagens de apoio.

 

Os dados mostram que a maioria dos componentes do índice começou a recuar no último trimestre do ano passado, mas a queda não reverteu a alta acumulada nos últimos dois anos, de 26,3%.

 

Custo com capital de giro aumentou 35,8% entre 2022 e 2021

 

O custo com capital, medido pela taxa de juros para capital de giro, apresentou crescimento de 35,8% na comparação de 2022 com 2021. O aumento ocorreu devido aos sucessivos aumentos da taxa básica de juros (Selic), que subiu de 9,25% ao ano, no fechamento do quarto trimestre de 2021, para 13,75% ao ano, no fechamento do quarto trimestre de 2022.

 

Na comparação do terceiro com o quarto trimestre de 2022, o custo com capital se estabilizou em patamar elevado devido à manutenção da taxa Selic em 13,75% ao ano.

 

As taxas de juros têm sido apontadas como problema relevante para a indústria brasileira, de acordo com a pesquisa Sondagem Industrial da CNI. De acordo com a CNI, a Selic no patamar atual contribui para o encarecimento do custo do crédito para os empresários e influencia decisões como investimento e compra de maquinário.

 

Custo de energia subiu 23% entre 2022 e 2021

 

O custo com energia aumentou 23% em 2022 em relação a 2021. O aumento é resultado da alta de

todos os componentes do indicador: 35,1% para o óleo combustível, 58,4% para o gás natural e 1,2% para a energia elétrica no período.

 

Na comparação do quarto com o terceiro trimestre de 2022, houve queda de 3,7% no custo de energia, após um longo período de aumento nos custos. Esse resultado ocorreu devido aos recuos de 8,5% no custo com óleo combustível e de 4,1% no custo com gás natural. Nesse período, energia elétrica subiu 0,5%.

 

Custo com pessoal aumentou 11,8% no ano passado

 

O custo com pessoal, medido pelo rendimento médio do trabalhador da indústria, aumentou 11,8% na comparação entre 2021 e 2022. Esse resultado pode ser explicado pelo avanço do número de pessoas ocupadas e pela recuperação do rendimento médio, fatores que marcaram o mercado de trabalho em 2022. As sucessivas altas do rendimento médio ao longo de 2022 geraram um aumento de 13,4% na massa salarial, enquanto o emprego avançou apenas 1,4% na comparação de 2022 com 2021.

 

Insumos importados contribuem para aumento dos bens intermediários

 

O custo com bens intermediários, na comparação de 2022 com 2021, registrou aumento de 14,5%, puxado pelos aumentos dos custos de insumos importados (+15,2%) e bens intermediários nacionais (+14,4%). Entre os fatores que explicam esses aumentos de custos estão a guerra na Ucrânia e a desorganização das cadeias produtivas no pós-covid.

 

Os empresários industriais indicaram, nas Sondagens Industriais da CNI, que o problema de falta ou alto custo de matéria-prima ocupou a primeira posição entre os três principais problemas da indústria durante três dos quatro trimestres de 2022.

 

Na comparação do terceiro com o quarto trimestre de 2022, o custo com bens intermediários recuou 5,9%, impactado tanto pela queda nos custos com bens intermediários nacionais (-5,6%) como pela queda nos custos com bens intermediários importados (-7,6%). Esse é resultado do início do processo de normalização das cadeias de insumos nos últimos trimestres de 2022.


Mais notícias

Indústria mostra confiança moderada no primeiro semestre de 2024, aponta CNI

Faturamento e horas trabalhadas na produção industrial cresceram em abril, aponta CNI

Produção industrial apresenta avanço atípico em abril, segundo CNI

Compras até 50 dólares não beneficiam quem ganha menos e são esses mesmos que correm mais risco de perder emprego, diz CNI