IMPRENSA
21 de May de 2024 - 18h01

A- A A+

Compras até 50 dólares não beneficiam quem ganha menos e são esses mesmos que correm mais risco de perder emprego, diz CNI

Pesquisa inédita ouviu 2 mil pessoas em todo país e mostra que 18% de quem tem renda até 2 salários mínimos fazem compras internacionais com o incentivo fiscal


Pesquisa inédita da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Instituto de Pesquisa em Reputação e Imagem (IPRI), da FSB Holding, revela que apenas 18% da população com renda de até dois salários mínimos fizeram compras onlines internacionais de produtos com isenção de até US$ 50. Na faixa da população com renda acima de cinco salários mínimos, esse percentual sobe para 41%. Os dados mostram que quem mais se beneficia da vantagem tributária concedida às importações de até US$ 50 são as pessoas com renda mais alta.


A pesquisa ouviu duas mil pessoas em todo o país entre 17 e 20 de maio. Do total de pessoas entrevistadas, 24% disseram ter realizado compras internacionais, em sites ou aplicativos, de produtos que vieram de outros países em 2023 e 73% disseram que não realizaram.


Em nota conjunta, CNI, a Confederação Nacional do Comércio Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Nova Central, Força Sindical, IndustriAll Brasil, Confederação Nacional de Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs), Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNMT), Central dos Sindicados Brasileiros (CSB) e União Geral dos Trabalhadores (UGT) afirmam que: ”o impacto no emprego hoje é mais severo em setores da indústria e do comércio cujos produtos são mais comprados nas importações de até 50 dólares”.


Atualmente, ao perder vendas para essas importações menos tributadas, a indústria e o comércio nacionais deixam de empregar 226 mil pessoas. A desigualdade na tributação entre a produção nacional e as importações de até US$ 50, por meio de plataformas de comércio eletrônico, destrói empregos no Brasil.


“Está claro que a isenção de tributos em compras de até US$ 50 não beneficiam as pessoas que ganham menos e, por consequência, sofrerão mais com desemprego e a falta de oportunidades com as perdas dos negócios no Brasil”, afirma o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ricardo Alban.


Mulheres são as mais afetadas com o desemprego


O impacto no emprego hoje é mais severo em setores da indústria e do comércio cujos produtos são mais comprados nas importações até US$ 50 dólares. Estes setores incluem a fabricação de produtos têxteis, confecção de artefatos do vestuário e acessórios, fabricação de calçados e de artefatos de couro, fabricação de produtos de limpeza, cosméticos, perfumaria e higiene pessoal, e fabricação de móveis e produtos de indústrias diversas.


E quem mais perde com a redução dos empregos nesses setores são as pessoas que ganham menos e, principalmente, as mulheres. Mais de 80% das pessoas empregadas nos setores mais afetados pela isenção da tributação recebem até dois salários mínimos. As mulheres respondem por 65% do emprego nesses setores, ante a média nacional de 40%.  


Mais notícias

80 por cento dos brasileiros defendem melhoria dos gastos públicos, aponta pesquisa da CNI

Confiança da indústria cai em julho e índice é o menor desde 2023

Indústria de transformação aponta queda em cinco de seis indicadores em maio

60 por cento das indústrias apontam carga tributária como fator de maior impacto na conta de luz, diz CNI