IMPRENSA
21 de July de 2021 - 09h12

A- A A+

Confiança da indústria segue disseminada em 30 setores pelo terceiro mês consecutivo, mostra CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) de julho permaneceu acima dos 50 pontos em todos os setores. Produtos de madeira é o mais confiante

 

Os 30 setores industriais analisados pelo Confederação Nacional da Indústria (CNI), em julho, estão confiantes na economia e na situação de suas empresas. Esse foi o terceiro mês consecutivo em que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) permaneceu acima dos 50 pontos para todos os setores. O indicador varia de 0 a 100, sendo 50 pontos a linha de corte entre um cenário positivo e negativo.

 

Acesse aqui a entrevista do economista-chefe da CNI, Renato da Fonseca, em 4k e 60 FPS, e o pacote de imagens do nosso Banco de Mídia.

 

De acordo com o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, o resultado marca um período de confiança disseminada entre todos os setores da indústria. Em março e abril, empresários de determinados setores industriais haviam mostrado falta de confiança, em resposta ao agravamento da pandemia de covid-19 e à necessidade de novas medidas restritivas às atividades econômicas. 

 

O indicador caiu em 11 setores em julho na comparação com junho. “Contudo, desses 11, em nove deles, a queda foi inferior ou igual a 1,5 ponto. Os setores que registraram queda de confiança mais intensa foram Produtos de borracha, com queda de 3,5 pontos, e Bebidas, com um recuo de 2,7 pontos. Mesmo assim, o índice nesses setores continua elevado”. 

 

Os setores mais confiantes na economia são: Produtos de madeira, Químicos, Máquinas e equipamentos, Metalurgia e Máquinas, aparelhos e materiais elétricos.


Mais notícias

80 por cento dos brasileiros defendem melhoria dos gastos públicos, aponta pesquisa da CNI

Confiança da indústria cai em julho e índice é o menor desde 2023

Indústria de transformação aponta queda em cinco de seis indicadores em maio

60 por cento das indústrias apontam carga tributária como fator de maior impacto na conta de luz, diz CNI